(Português) O Norte do Chile

posted in: Norte do Chile | 0

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

À primeira vista, para alguém que visite Santiago ou a região dos lagos e vulcões, o Chile poderia ser o país de primeiro mundo que querem fazer querer a toda a gente que é o mais evoluído da América do Sul. Há poder de compra, há consumismo, há modernismo, há gente que vai de férias a Miami.
Desenganem-se as gentes. Uma pequena volta no norte chileno, assim em três ou quatro camiões, e toda uma utopia cai por terra. E não não, não estou a falar do deserto do atacama, onde os turistas dão voltas de jipe e tiram fotos com cactos gigantes.
Estou a falar de sítios como La Negra. Se existe um inferno, certamente se assemelha à La Negra. Chegámos às duas da manhã à COPEC de La Negra, um pequeno ponto no mapa às portas de Antofagasta, a cidade mineira do Chile por excelência. Chegámos num camião que conduzia (como todos os outros) em excesso de velocidade. Nos meus piores pesadelos de ficção científica é de noite e o mundo tornou-se num lugar cinzento, povoado por fábricas e camiões e pessoas-autómato. O ar é irrespirável, há um ruído de fundo metálico, surdo e monótono, de fábricas em funcionamento constante. E tudo, tudo está morto, as plantas estão cobertas de uma fina poeira cinzenta, os telhados e as paredes das casas estão cobertos de uma fina poeira cinzenta, os parques infantis estão cobertos de uma fina poeira cinzenta como se não tivessem sido utilizados há séculos; os únicos animais existentes são cães vadios e esfomeados que ladram ao longe e ao perto e a todas as distâncias, enchendo o ar de angústia. No fundo dos olhos das pessoas há uma fina poeira cinzenta enquanto apanham o autocarro dos trabalhadores das minas ou das fábricas. Os meus piores pesadelos de ficção científica passavam-se afinal em La Negra, no norte do Chile.
Não, não estou a falar do deserto do atacama, onde os turistas dão voltas de jipe e tiram fotos com cactos gigantes.
Estou a falar dos quase 2000 km de deserto e mar que se estendem mais ou menos do norte de La Serena até à  fronteira com o Peru. Quase 2000 km de deserto e mar tóxico e minas. Minas de cobre e prata. Minas enormes que são proprietárias dos quilómetros a perder de vista de deserto, minas onde entram e saem ininterruptamente linhas infinitas de camiões. Minas alimentadas por quilómetros de cabos e postes de alta tensão que sulcam e dilaceram o Chile desde as enormes barragens das hidroeléctricas que inundam vales desde o sul mais ao sul da Carretera Austral. Minas cujos resíduos deixados a céu a aberto nas praias percolam e desaparecem lenta, mas inevitavelmente, nas águas do Oceano Pacífico. As minas que governam o Chile, que alimentam o Chile, que são o motor duma economia crescente e capitalista ao extremo, que serão um dia a perdição do Chile. Porque um dia, o dinheiro fácil dos minerais vai acabar. E o Chile vai perceber que afinal ainda é um país do terceiro mundo.

20170409_091538
COPEC Copiapó. Uma tarde e uma manhã de espera. Uma noite no jardim da estação de serviço. Mal sabíamos nós a maravilha de sítio para dormir que não era!
20170409_105137
COPEC de la Serena. Apenas umas horas de espera, o tempo de uma sandes.
20170410_114950
As linhas rectas infindáveis do Norte. E as linhas eléctricas infindáveis do Norte.
20170410_172413
Descidas inclinadíssimas, para lá das leis da gravidade, se acreditarmos no sinal.
O deserto precipita-se na costa em dunas gigantescas.
O deserto precipita-se sobre a costa em dunas gigantescas.
Pior noite de toda a viagem - acampamento em La Negra.
Pior noite de toda a viagem – acampamento em La Negra.
Amanhecer em La Negra.
Amanhecer em La Negra – sítio de acampamento à direita.
E finalmente chegámos a Iquique, o primeiro sítio agradável depois de sairmos de La Serena.
E finalmente chegámos a Iquique, que nos pareceu o sítio mais lindo do mundo depois de  quatro dias a atravessar o deserto do norte chileno.
Praça de Iquique.
Praça de Iquique.
Mangas fantásticas do mercado de Iquique.
Mangas fantásticas do mercado de Iquique.

 

Paula y familia (a nossa salvação em Copiapó) – Miguel – Felipe – Maurício – Pablo

Leave a Reply